Área Restrita
Topo - Horizontal Full
Grito
Marcha
Imagem2
Imagem 1
Imagem3
Imagem 4

Fetagro

Notícias

Marcha das Margaridas encerra Grito da Terra, com conquistas importantes e algumas dificuldades com o...
21/05/2015

Marcha das Margaridas encerra Grito da Terra, com conquistas importantes e algumas dificuldades com o...

Na manhã desta quinta-feira (21) teve início um dos pontos altos da grande mobilização da agricultura familiar de Rondônia, que reuniu milhares de agricultores e agricultoras dos 52 municípios do Estado, nestes dias 19, 20 e 21, que foi uma caminhada, denominada de Marcha das Margaridas, que teve início às 7h30 saindo do INCRA, seguiu pelas Avenidas Imigrantes, Farquar, 7 Setembro e José de Alencar, até o Palácio Getúlio Vargas. No local houve uma grande concentração, um ato público e uma rodada de negociação final da pauta de reivindicação com o vice-governador Daniel Pereira e secretários estaduais. Durante a negociação, a comissão do Grito da Terra reclamou das dificuldades encontradas nas negociações com as várias secretarias do governo do Estado, sendo que algumas avançaram pouco no atendimento das principais reivindicações. Registra-se que a Secretaria de Estado da Saúde (SESAU) que sequer atendeu à Comissão de Negociação. Também a Secretaria de Educação (SEDUC) não deu importância à negociação, pois a titular da pasta recebeu a comissão de negociação por menos de uma hora e nenhum das reivindicações pode ser negociada. Durante a Marcha das Margaridas, foi realizado um protesto em frente da SEDUC, que permaneceu fechada por cerca de uma hora, quando só foi permitida a saída de quem estava no prédio. A negociação final com o vice governador e secretários não alcançou as expectativas. Para a comissão de negociação, foi uma decepção. Uma pauta extensa com mais de 125 pontos reivindicando e propondo políticas estruturantes para o fortalecimento da agricultura familiar, meio ambiente, educação do campo, assistência técnica, saúde, segurança pública, entre outros, foi desrespeitosamente discutida por parte do governo. O governo se recusou a atender pontos importantes, como a liberação do subsídio de R$ 5 mil do Programa Nacional de Habitação Rural e a criação das Secretarias da Mulher e da Agricultura Familiar, a não implantação do ensino a distancia nas escolas do campo, alegando dificuldades orçamentárias. Como conquista da mobilização estadual, junto ao governo do estado, destaque apenas para a inclusão do nome do cônjuge na ficha de Controle Sanitário da Agência Idaron. Esta é uma reivindicação apresentada desde o primeiro mandato do governador Confúcio Moura, mas que somente neste ano foi atendida, após projeto de lei do deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT), estabelecendo a alteração na Lei nº 3.306/2013 que passa a permitir os nomes, quer do (a) cônjuge, quer do (a) companheiro (a), para que a titularidade na ficha seja exercida pelos dois, deixando de haver apenas um titular. De acordo com o presidente da Fetagro, Fábio Menezes, a avaliação do Movimento Sindical Rural, representado pela Fetagro e Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, em relação ao governo do Estado, é que os trabalhadores rurais não foram devidamente valorizados, que as pautas mais importantes não foram respondidas, mas que o dialogo permanece, demonstrando a necessidade de manter os trabalhadores mobilizados. “A luta continua e a agricultura familiar precisa ser respeitada e valorizada”. Conquistas Entre as conquistas com órgãos federativos, os trabalhadores rurais destacam as alcançadas com a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Eletrobras. Como resultado das negociações com a Caixa, sobre as demandas de habitação rural, os trabalhadores rurais conseguiram a confirmação de contratação imediata de 214 unidades habitacionais e mais 194 em assentamentos. Foi acordado também que a superintendência intermediará junto ao MDA para a inclusão de 44 unidades de beneficiários de assentamento do Crédito Fundiário. Com o banco do Brasil foi garantidaa retomada da liberação do Pronaf das linhas de investimento, e está assegurado que não haverá aumento dos juros do Pronaf. Às mulheres trabalhadoras rurais, no ato de abertura de conta, será ofertada a opção de “agricultora” no campo a ser preenchido com profissão. A superintendência se comprometeu em dar prioridade, em todas as suas agências no Estado, para a contratação do Pronaf Jovem e Pronaf Mulher em 2015 e 2016. Com a Eletrobrás foi confirmada uma reunião com o Ministério das Minas e Energia, Anel, Eletrobrás, Contag e representante da Comissão de negociação (Fetagro e Sindicatos) para buscarem o atendimento das mais de 18 mil famílias ainda não atendidas pelo Programa Luz para Todos. A reunião foi marcada para a próxima quarta-feira (27), no Ministério, em Brasília.

GTE e Marcha 2015: velas acesas representam realidade de milhares de trabalhadores sem energia elétrica...
20/05/2015

GTE e Marcha 2015: velas acesas representam realidade de milhares de trabalhadores sem energia elétrica...

Encerrando o segundo dia do Grito da Terra e Marcha das Margaridas, os milhares de trabalhadores e trabalhadoras rurais realizaram ato simbólico na sede da Eletrobras, demonstrando a realidade de mais de 18 mil famílias que ainda estão sem energia elétrica no campo. Já com o adentrar da noite eles seguraram velas acesas, simbolizando os milhares de agricultores que ainda não foram beneficiados pelo Programa Luz para Todos. Antes deste ato, a comissão de negociação da pauta, reuniu-se com o presidente da Eletrobras, Luiz Marcelo, para obter respostas e soluções. Entre outras reivindicações, os representantes pediam uma reunião com o Ministério das Minas e Energia, Anel, Eletrobras, Contag e representante da Comissão (Fetagro e Sindicatos) para buscarem o atendimento das famílias desassistidas pelo programa. O pedido foi aceito e confirmada a reunião para a próxima quarta-feira (27).

GTE e Marcha 2015: Banco do Brasil atende reivindicações
20/05/2015

GTE e Marcha 2015: Banco do Brasil atende reivindicações

Importante ato foi feito, hoje (20), em frente a Superintendência do Banco do Brasil, como programação do Grito da Terra Estadual e Marcha Estadual das Margaridas. A ação foi motivada pela dificuldade de diálogo entre a superintendência e os agricultores familiares, por muitas vezes representados pela FETAGRO e Sindicatos, e pela necessidade emergencial de respostas e ação da agência financeira às demandas da categoria. Entre as principais reivindicações liberação do Pronaf e contratação de unidades habitacionais por meio do Programa Nacional de Habitação Rural. A negociação, ocorrida entre a Comissão de Negociação e o Superintende Pio, trouxe resultados favoráveis. O presidente da FETAGRO, Fábio Menezes, avaliou como positiva e considerou que os pontos principais foram atendidos. Entre os resultados estão: A superintendência garantiu a retomada da liberação do Pronaf das linhas de investimento. Está assegurado que não haverá aumento dos juros do Pronaf. Às mulheres trabalhadoras rurais, no ato de abertura de conta, será ofertada a opção de “agricultora” no campo a ser preenchido com profissão. A superintendência se comprometeu em dar prioridade, em todas as suas agências no Estado, para a contratação do Pronaf Jovem e Pronaf Mulher em 2015 e 2016. Em relação a contratação de habitações rurais, o superintendente explicou que depende da decisão da agência nacional quanto ao quantitativo a ser disponibilizado. E, após ter acesso a essa informação, se comprometeu em marcar audiência com a Fetagro para externá-la e incluir a demanda vinda do movimento sindical.

GTE e Marcha 2015: Deputado Lazinho da Fetagro fortalece mobilizações
19/05/2015

GTE e Marcha 2015: Deputado Lazinho da Fetagro fortalece mobilizações

O companheiro e deputado estadual Lazinho da Fetagro participa de forma direta e incisiva no Grito da Terra e Marcha das Margaridas, contribuindo especialmente nas negociações das reivindicações e proposições. Ao saudar a todos os companheiros e companheiras na abertura dos atos, na manha desta terça-feira (19), Lazinho da Fetagro ressaltou a importância daquela ação para a conquista de políticas públicas que permitam melhoria de vida e trabalho no campo. Disse da alegria e satisfação em poder estar mais uma vez com todos naquele momento, que por muitas vezes esteve como líder sindical. Lembrou de importantes conquistas alcançadas por aquela ação dos agricultores e agricultoras, mas também do quanto ainda precisa ser conquistado, e, por isso, pediu determinação e garra de cada um/uma. “Esse é nosso espaço de diálogo e negociação . Vamos continuar lutando por reconhecimento, valorização, respeito e atendimento aos trabalhadores rurais e à agricultura familiar”, convocou. Lazinho da Fetagro ressaltou que seu mandato é de cada um daqueles que ali estão, pois foi um projeto idealizado pelo Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais e por ele (movimento) conquistado.

GTE e Marcha 2015: Caixa irá contratar mais de 450 habitações
19/05/2015

GTE e Marcha 2015: Caixa irá contratar mais de 450 habitações

Como resultado das negociações com a Caixa Econômica Federal sobre as demandas de habitação rural, os trabalhadores rurais conseguiram a confirmação de contratação imediata de 214 unidades habitacionais e mais 194 em assentamentos. Foi acordado também que a superintendência intermediará junto ao MDA para a inclusão de 44 unidades de beneficiários de assentamento do Crédito Fundiário.Também foi assegurada agenda com o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, com a FETAGRO, para o mês de junho. Em relação a demanda de 1.800 novas casas, não houve garantias. A superintendência reconheceu a demanda, mas alega dependência da autorização do governo federal, em virtude dos novos parâmetros do Programa.

GTE e Marcha 2015: agricultores cobram habitações da Caixa Econômica
19/05/2015

GTE e Marcha 2015: agricultores cobram habitações da Caixa Econômica

Primeiro ato de reivindicações em frente a Caixa Econômica Federal. Comissão de negociação foi recebida pela superintendencia e busca a garantia de contração imediata de 345 unidades habitacionais ja protocoladas na agencia e a garantia do Ministetio das Cidades a para contratação de mais 1.800 casas. Estas são algumas das importantes demandas dos agricultores a serem tratadas com a Caixa. Os trabalhadores não encerrarão o ato até a confirmacao de contratação pelo Ministério das Cidades.

GTE e Marcha 2015: iniciam principais mobilizações dos trbalhadores (as) rurais
19/05/2015

GTE e Marcha 2015: iniciam principais mobilizações dos trbalhadores (as) rurais

Começaram as maiores mobilizações dos trabalhadores e trabalhadoras rurais de Rondônia por políticas públicas que garantam melhorias na qualidade de vida no campo! Grito da Terra Estadual e Marcha Estadual das Margaridas, de 19 a 21, reunindo cerca de 4 mil agricultores e agricultoras na capital Porto Velho, reivindicando e propondo por desenvolvimento sustentável e solidário no campo. Nas primeiras horas do dia foi realizada assembléia de socialização da pauta de reivindicações e da programação dos trê dias de mobilizações, durante concentração, na Praça das 3 caixas d'agua, centro da capital Porto Velho.

Trabalhadores(as) rurais mobilizados(as) para o Grito da Terra e Marcha das Margaridas
18/05/2015

Trabalhadores(as) rurais mobilizados(as) para o Grito da Terra e Marcha das Margaridas

Cerca de quatro mil trabalhadores e trabalhadoras rurais, organizados pela FETAGRO e Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTRs), realizam nesta semana, de 19 A 21, em Porto Velho, o Grito da Terra Estadual 2015 e a 1ª Marcha Estadual das Margaridas. Os trabalhadores irão cobrar do governo estadual e órgãos federais respostas à pauta de proposições e reivindicações. A pauta conjunta (Grito e Marcha) contém mais de 200 propostas que expressam as principais reivindicações de aproximadamente 120 mil homens e mulheres do campo. O documento faz referencia a temas como regularização fundiária e ambiental; organização da produção; fim dos conflitos agrários; enfrentamento a violência contra a mulher; habitação rural; educação do campo; saúde, esporte, cultura e lazer do/no campo; segurança pública do/no campo; meio ambiente; crédito fundiário; previdência social; assalariados (as) rurais. De acordo com o presidente da FETAGRO, Fábio Menezes, o Grito da Terra é uma ação de massa dos trabalhadores(as) rurais, instituído para servir de espaço permanente de discussão e negociação de políticas públicas para a agricultura familiar e os povos do campo com os poderes públicos estadual e federal . “Essa mobilização é a data base da negociação da classe trabalhadora rural com o poder público constituído”, afirma Fábio. Da mesma forma se carecteriza a Marcha das Margaridas que negocia com as autoridades estaduais e federais demandas específias das mulheres do campo, da floresta, das águas e das cidades e buscam desenvolvimento sustentável com democracia, justiça, autonomia, igualdade e liberdade, , explica a secretária de mulheres da FETAGRO Izabel de Oliveira.

STTR de Urupá comemora 30 anos de lutas e conquistas
17/05/2015

STTR de Urupá comemora 30 anos de lutas e conquistas

Marcada por um grande público, resgate histórico, homenagens, almoço, sorteio de prêmios, música e muita confraternização. Desta forma foi realizada a festa de comemoração dos 30 anos de fundação do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do município de Urupá (STTR Urupá), no último sábado (16). Muito prestigiado, o momento reuniu mais de mil agricultores (as) para celebrarem as três décadas de importantes lutas e grandes conquistas alcançadas pelo trabalho dedicado do Sindicato para com os trabalhadores e trabalhadoras rurais, sócios e sócias e com a agricultura familiar. Estiveram presentes também: o presidente da FETAGRO, Fábio Menezes; o deputado estadual Lazinho da Fetagro; o prefeito Serjão; o presidente da Câmara de Municipal, vereador Dário; o gerente da Ceplac, Raimundo Pita; o gerente da Emater, Valmir Piovesan; e o presidente da CUT Rondônia, Itamar Ferreira. O presidente do Sindicato Gilmar Gusmão agradeceu a presença de todos e disse ter sido uma grande alegria receber a todos naquele momento especial. Parabenizou a cada sócio (a) por contribuírem, por meio do Sindicato, em lutas e conquistas que transformaram a realidade do homem e da mulher do campo. Gilmar, ao resgatar a missão do Sindicato de defender os interesses individuais e coletivos dos trabalhadores (as) rurais, desenvolvendo, organizando e apoiando ações que visam a melhoria da qualidade de vida e de trabalho no campo, registrou que a história do Sindicato de Urupá nestes 30 anos é motivo de orgulho pelo que foi construído e conquistado. Para ele a data também é um momento de reflexão, de avaliação, e proposição para que a categoria continue sendo fortalecida. “Precisamos continuar lutando e alcançado novas vitórias”, convocou. O presidente da Fetagro, Fábio Menezes, em nome de toda a Direção da entidade, parabenizou ao STTR pelo aniversário; e especialmente por suas ações desenvolvidas ao longo dos 30 anos. Lembrou que o Sindicato ajudou a construir importantes políticas públicas para o campo, como o Pronaf, o Programa Nacional de habitação Rural, o programa Nacional de Crédito Fundiário, o Programa Luz para Todos, Programa Terra legal, Implementação do Cooperativismo de Crédito, entre outras. “O Sindicato de Urupá pode falar com orgulho que ajudou a construir políticas para a agricultura familiar, permitindo melhorias na qualidade de vida dos trabalhadores rurais nestes 30 anos”, ressaltou. Parabenizou de forma especial cada associado e associada dizendo que eles são o alicerce daquele Sindicato. O deputado estadual Lazinho da Fetagro disse ser uma grande alegria e satisfação poder comemorar, junto com os agricultores (as) associados (as) e toda a Direção do Sindicato, três décadas de muitas lutas e muitas conquistas. Lazinho da Fetagro destacou que a trajetória do STTR de Urupá é fruto da luta, coragem, persistência, organização e trabalho de muitos agricultores (as) que não “abriram mão” de conquistar melhores condições de vida e de trabalho no campo; e que têm sido até hoje incansáveis na defesa da categoria e da agricultura familiar, fazendo daquele sindicato um dos maiores em termos de organização e atuação no Estado. “Todos vocês ajudaram a construir essa bonita história nos últimos 30 anos”, disse. Momentos A festa foi marcada por diferentes momentos, muitos destes de grande emoção. Abençoando à todos e direcionando agradecimento à Deus, o Padre Divino Pereira iniciou a solenidade de comemoração. Entre as ações, também foi apresentado o vídeo-documentário “STTR de Urupá – 30 anos de Lutas e Conquistas”, resgatando a trajetória do Sindicato e valorizando lideranças, lutas e conquistas alcançadas. Outro momento especial do dia foi dedicado aos sócios fundadores do Sindicato de Urupá. À eles foi dada uma medalha de Honra ao Mérito em reconhecimento a contribuição de cada um na história do Sindicato, dedicando em prol de uma luta coletiva pelas necessidades dos trabalhadores rurais.

Trabalhadores rurais encerram primeira etapa de negociações do GTE e Marcha das Margaridas
15/05/2015

Trabalhadores rurais encerram primeira etapa de negociações do GTE e Marcha das Margaridas

Concluída nesta quinta-feira (14) a primeira etapa de negociação da pauta de reivindicação e proposição do Grito da Terra Estadual (GTE 2015) e 1ª Marcha Estadual das Margaridas, principais ações de massa do Movimento Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Rondônia, na busca de políticas públicas por desenvolvimento sustentável e solidário no campo e para o fortalecimento da agricultura familiar. As negociações serão retomadas durante a realização do GTE, nos dias 19, 20 e 21, em Porto Velho. Desde a última quarta-feira (13) uma Comissão de Negociação composta pela diretoria da Federação os Trabalhadores na Agricultura e Rondônia (FETAGRO) e dirigentes dos Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTRs) filiados estiveram na capital Porto Velho para as negociações com representações do governo estadual e governo federal e outras instituições competentes às demandas dos trabalhadores e trabalhadoras rurais. A pauta conjunta apresenta demandas abrangentes e fundamentais para agricultura familiar em todo Estado, e faz referencia a temas como regularização fundiária e ambiental; organização da produção; fim dos conflitos agrários; enfrentamento à violência contra a mulher, habitação rural; educação do campo; saúde, esporte, cultura e lazer do/no campo; segurança pública do/no campo; meio ambiente; crédito fundiário; e assalariados (as) rurais. A Comissão pontua entre as respostas prévias e consideradas positivas a garantia de uma agenda com a Presidência Nacional do Incra para discutir os problemas fundiários de Rondônia. Outro destaque é o compromisso firmado pela Coordenadoria do Programa Terra Legal em realizar junto com os Sindicatos um mutirão para resolver as pendências dos processos que estão em fase de titulação, propiciando regularização fundiária e segurança jurídica aos agricultores familiares. Também foi conquistado com o Terra Legal a entrega de mais de 800 títulos de terra para agricultores, a ser realizada durante as ações, na próxima semana. Às proposições e reivindicações específicas para as mulheres, foi conquistado inicialmente, junto à Secretaria estadual de Ação Social, a criação da Gerência de Políticas Públicas da Mulher; e assegurada a realização de ações/campanhas de divulgação da Lei Maria da Penha, em conjunto com o MSTTR, como ação no combate à violência contra a mulher. Mas a Comissão esclarece que ainda há entraves em algumas negociações, principalmente junto ao governo estadual, a exemplo do não cumprimento do acordo firmado pelo governo do estado, em destinar R$ 5 mil como contrapartida na execução do Programa Nacional de Habitação Rural. Ainda sem apoio do governo estadual estão as reivindicações de apoio financeiro às escolas Famílias Agrícolas (EFAS); o pedido de não aplicação do Programa de Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (Emitec), que ao substituir o professor por aulas em videoconferência estará retroagindo na implementação da educação do campo; e investimentos em infraestrutura para o campo. A Comissão anuncia uma decepção com relação à Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), que não compareceram para a negociação. Contudo, o presidente da FETAGRO, Fábio Menezes, analisa que “o processo de negociações permite um diálogo franco com os órgãos, além de nos dar a oportunidade de nos posicionarmos e exigirmos direitos que nos assegurem condições de vida e trabalho no campo”. Fábio ressaltou que os diálogos foram abertos e que terão continuidade. “Durante o as mobilizações retomaremos as negociações”, informou. O Grito da Terra e a Marcha das Margaridas acontecerá na próxima semana, nos dias 19, 20 e 21, e reunirá na capital mais de quatro mil trabalhadores e trabalhadoras rurais, reivindicando, propondo e negociando a implementação de políticas públicas que assistam à categoria e fortaleça agricultura familiar.

GTE e Marcha das Margaridas: negociações acontecem com Terra Legal
13/05/2015

GTE e Marcha das Margaridas: negociações acontecem com Terra Legal

Negociação do Grito e da Marcha com o coordenador regional do Programa Terra Legal, Francisco Sales, na tarde desta quarta-feira (13). A Comissão de negociação cobra mais agilidade no processo de emissão e entrega dos títulos, regularização dos assentamentos emancipas ou não emancipados, propõe ação conjunta do órgão com o Incra para destinação das grandes áreas que não foram regularizadas, entre outras reivindicações e proposições que propiciam regularização fundiária e segurança jurídica aos agricultores familiares.

RETICÊNCIAS POLÍTICAS...Porque as Margaridas marcham?
12/05/2015

RETICÊNCIAS POLÍTICAS...Porque as Margaridas marcham?

Porque as Margaridas marcham? Porque muitos direitos ainda faltam... Por Itamar Ferreira* ... ser reconhecidos às mulheres do campo e da floresta, também da cidade. A Marcha das Margaridas vai para sua 5ª edição nacional e pretende reunir 100 mil mulheres nos próximos dias 11 e 12 agosto em Brasília. Antes, haverá uma etapa estadual, que será realizada no próximo dia 21 de maio, na fase final do Grito da Terra 2015... ... o nome Margaridas é uma homenagem à líder sindical Margarida Maria Alves, que lutou contra a exploração no campo e pelos direitos dos trabalhadores, combateu o analfabetismo e defendeu a reforma agrária. Em 1983 Margarida foi assassinada por usineiros da Paraíba... ... A primeira edição da Marcha das Margaridas ocorreu em 2000, teve o apoio do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, e desde então já ocorreram nos anos de 2003, 2007 e 2011. É uma ação estratégica para conquistar visibilidade, reconhecimento social e político e cidadania plena... ... elas protestam contra as desigualdades sociais; denunciam todas as formas de violência, exploração e dominação e avançam na construção da igualdade para as mulheres. É um momento de empoderamento das mulheres, fortalecimento da autoestima e de visibilidade de suas demandas... ... cada mulher é uma margarida e todas estão sendo conclamadas, sejam do campo, da floresta, das águas e das cidades, para realizar uma grandiosa marcha rumo ao “Desenvolvimento Sustentável com Democracia, Justiça, Autonomia, Igualdade e Liberdade”. Esta marcha conta com o apoio dos homens conscientes do papel e da importância das margaridas... ... em Rondônia uma extensa pauta com as demandas específicas das margaridas do campo estará sendo negociada com as autoridades estaduais e federais, até o próximo dia 21, para buscar garantir na agricultura familiar a igualdade para as mulheres... ... esta é a Marcha das Margaridas, sensíveis e valentes, que vem contribuindo desde o ano 2000 para avançar as políticas públicas voltadas para a mulher. Em 2015 não será diferente: novas conquistas serão alcançadas, em Rondônia e no Brasil. * Itamar Ferreira é bancário, sindicalista, formado em administração de empresas e pós-graduado em metodologia do ensino pela Unir, acadêmico de direito da FARO 7º período e atualmente é presidente da CUT

Dirigentes de STTRs representam Rondônia na Enfoc Regional Norte
12/05/2015

Dirigentes de STTRs representam Rondônia na Enfoc Regional Norte

Acontece durante toda esta semana, o I Módulo do Curso de Formação Político-Sindical da Região Norte, em Belém, no Pará, com um público formado por lideranças de base, diretores (as) e assessores (as) de Federações de Trabalhadores na Agricultura e Sindicatos de trabalhadores e Trabalhadoras Rurais que, juntos, constituem o Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) dos sete estados da região. O curso é coordenado pela Escola Nacional de Formação da CONTAG (Enfoc). O MSTTR de Rondônia, organizado pela FETAGRO e STTRs filiados, participa com nove integrantes, sendo: Clarinda Maximino (STTR Vilhena) e Salete Coelho (STTR Corumbiara), Eliana Cardoso (STTR Campo Novo), Lucimar Alves (STTR Jaru). Jeane Toste (STTR Alvorada do oeste), Carla Dantas (STTR Presidente Médici), Jair Oliveira (STTR Seringueiras), Sheila Becker (STTR Cujubim) e Sirlene Oliveira (STTR Novo Horizonte). Neste 1º módulo do curso são abordados os temas Sociedade, Estado e Ideologia, além de serem trabalhadas as questões das relações de sujeito e identidade rural. Em junho serão iniciadas as oficinas de autoformação para a etapa seguinte e em julho iniciam-se os 2º módulos. O Curso Regional é construído em três módulos, com duração de sete dias cada. ENFOC ENFOC é uma escola orgânica da CONTAG, criada em 2006 e voltada para o debate e reflexão das questões políticas e das práticas do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR), além de promover estudos sobre temas presentes na agenda sindical. Os cursos de formação político-sindical da ENFOC contribuem para o processo de Multiplicação Criativa, Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário e Ação Sindical, e tem como princípios e fundamentos a teoria da educação popular e o Projeto Alternativo de Desenvolvimento Sustentável e Solidário (PADRSS).

Agenda

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro